A Corrupção é um mal que atinge o mundo inteiro, segundo um estudo do FMI realizado ano passado, a corrupção custa quase R$ 7 trilhões por ano à economia mundial, isso mesmo R$ 7 trilhões!!! Para título de comparação, o PIB do Brasil em 2016 foi de R$ 6,266 trilhões. Ou seja, a cada ano é perdido um Brasil para a corrupção. Um outro estudo, realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), projeta que a cada ano o Brasil perde R$ 100 bilhões com a corrupção, no ano passado o déficit da previdência foi de R$ 151,9 bilhões daria para cobrir uma boa parte só com o dinheiro perdido em corrupção.

Sentimos na pele diariamente os efeitos prejudiciais da corrupção: serviços públicos que não funcionam; aumento da pobreza; aumento do desemprego; aumento de impostos, etc.

E que dizer da corrupção em condomínios? Infelizmente, não foge a regra. Não é incomum nos depararmos com práticas corruptas na gestão de condomínios, seguem alguns exemplos reais:

  • Num condomínio o Síndico decidiu trocar as câmeras de segurança. O valor do orçamento real era de R$ 2.900,00, o Síndico pediu para o prestador do serviço fazer um orçamento de R$ 6.200,00, para reembolsar a diferença;

  • Em certo condomínio, a Síndica contratou os serviços da empresa do marido para fazer diversas manutenções desnecessárias e outras que ficaram inacabadas. A Síndica foi destituída;

  • Em outro condomínio, o Síndico cobrou durante 3 anos uma taxa extra para reforma da fachada que nunca foi feita. Mensalmente o Síndico apresentava extratos falsos para os moradores, em conluio com a Administradora. Tanto o Síndico como o dono da Administradora sumiram. Como disse certa moradora “Minha casa, minha dívida”;

  • Em certo condomínio, o Síndico usava o cartão de débito do condomínio para gastar em restaurantes, postos de gasolina, lojas de roupas e calçados, fazer saques para gastos pessoais, ou seja, o cartão do condomínio virou um cartão corporativo do Síndico. Resultado, prejuízo de R$ 700 mil para os moradores.

E por aí vai…

E quais são os efeitos da corrupção no condomínio? taxa de condomínio alta; rateios constantes; falta de fundos para manutenções e reformas necessárias; deterioração do patrimônio; impostos não recolhidos, etc. E a conta fica para quem? Para os moradores, “Minha Casa, Minha Dívida”.

A principal causa para a corrupção em condomínios é a Governança fraca, em outras palavras, Síndico pouco transparente; Conselho pouco participativo e omisso; moradores mais preocupados com o “barulho do vizinho” do que com a prestação de contas do Síndico; administradoras mais preocupadas, somente, em registrar as operações “cara, crachá”. Taí o cenário ideal para a proliferação do parasita corrupção.

Seguem alguns sintomas que podem ser decorrentes de ações corruptas no seu condomínio:

  • Obras “emergenciais” de difícil comprovação com frequência, sem apresentação de orçamentos ou aprovação em assembleia. Exemplo de obras de difícil comprovação: Reparo de telhados, canos subterrâneos, Para-raios;

  • Baixa de valor de inadimplente sem a identificação da entrada do dinheiro na conta do condomínio;

  • Insistência do Síndico na troca de prestadores de serviços sem justificativa clara ou por preferência por outro de “sua confiança”. Principalmente, quando o Síndico é novo e está no início do mandato;

  • Utilização do fundo de reserva sem justificativa por parte do Síndico;

  • Notas fiscais sequenciais com períodos espaçados (podem ser notas frias);

  • Contratação de prestadores de serviços que possuem parentesco com o Síndico;

  • Pagamentos de serviços que não são prestados no Condomínio.

E outros…

Um personagem que pode ajudar no fortalecimento da Governança de Condomínios e, assim, contribuir para uma gestão mais transparente é o Auditor Independente. A Auditoria não é sinônimo de desconfiança, ou não deveria ser. Ela pode ser uma ferramenta importante, mas não a única, para ajudar no combate a corrupção.

O problema é que em muitos casos, a Auditoria só é contratada quando há fortes evidências de atos lesivos do Síndico contra o condomínio. A contratação deveria ocorrer já na implantação do Condomínio, eu acredito que isso já traria impactos significativos na gestão do Síndico quanto a preocupação em agir de forma correta e transparente. Há necessidade de se criar a cultura da prevenção. Mas se no seu condomínio não há uma Auditoria Preventiva Mensal, nunca é tarde para começar.

Fonte: Marcos Braga – MB7 Auditoria e Gestão ( Parceiro Super Condomínios )

Deixe o seu comentário